Tratar sindrome do túnel do carpo sem cirúrgia

Introdução anatómica

nervo mediano síndrome do túnel do carpoO túnel cárpico corresponde a uma região estreita no punho por onde passa o nervo mediano. O sindrome do túnel do carpo corresponde a uma compressão do nervo. É a neuropatia de origem compressiva mais frequente.
O nervo mediano tem origem nas raízes da C5 à D1. As raízes da C5-C7 são provenientes do cordão lateral e as raízes da C8-D1 são provenientes do cordão medial.
Ele entra no braço por baixo do músculo redondo maior e segue ao longo da face medial do braço (acompanhando outros nervos do plexo braquial). Ao longo do nervo segue a artéria braquial.
Segue para o antebraço através da fossa cubital. Aí dá origem a um ramo que inerva o redondo pronador.Ele segue ao longo do antebraço entre os músculos flexor superficial dos dedos e o flexor profundo dos dedos e emerge entre os tendões do flexor cubital do carpo e o flexor longo do polegar.
Entra na mão através do canal cárpico e divide-se em dois ramos.
O ramo recorrente que inerva músculos tenares e o ramo digital cutâneo que faz inervação cutânea na mão e outro ramo para inervar lumbricóides da mão.

Ao longo do seu percurso encontram-se algumas interfaces relevantes das quais destacamos as mais importantes

túnel cárpico

Compressão das raízes nervosas a nível C6 e C7. Existem várias causas possíveis para esta compressão como sejam processos osteofiticos ou hérnias discais.

túnel cárpico desfiladeiro torácico

Síndrome de desfiladeiro torácico que provoca neuropatia compressiva por aproximação de estruturas anatómicas como a clavicula e 1ª costela. Outras estruturas anatómicas costumam estar envolvidas. Isto implica um conhecimento da biomecânica e da forma como os diferentes tecidos se influenciam.

sindrome do túnel do carpo anatomia

Compressão do nervo mediano do túnel cárpico. É o síndrome do túnel do carpo verdadeiro. A existência de compressão nervosa nesta interface não impede a existência de compressão noutras interfaces. A compressão do nervo pode ter várias causas desde anatómicas, traumáticas ou hormonais.

Causas e factores de risco do sindrome do túnel do carpo

Gravidez ou menopausa provocam alterações na retenção de líquidos podendo aumentar a concentração de liquidos à volta do nervo com consequente compressão do mesmo. O sindrome do canal cárpico da gravidez costuma desaparecer após o parto.

Diabetes e doenças da tiróide provocam lesão dos nervos periféricos. São causas comuns de neuropatias compressivas

Doenças inflamatórias como artrite reumatóide provocam inflamação nas articulações e tendões. Junto ao canal cárpico podem provocar compressão do nervo mediano.

Sindrome do túnel do carpo idiopático A maioria dos casos de sindrome do túnel do carpo é idiopática, ou seja, tem causas desconhecidas.

Fraturas, deslocamento e canal cárpico constitucionalmente pequeno diminuem espaço de conforto do nervo gerando compressão nervosa e consequentes sintomas.

Outras causas como obesidade, alcoolismo, leucemia, drogas inibidoras de aromatase, etc…

A principal causa de túnel cárpico é a Lesão de Esforço repetido onde um esforço continuado com movimentos repetitivos promove uma lesão no nervo. Tocar instrumentos musicais ou fazer massagens são dois exemplos clássicos. Ainda não está comprovada a influência de longas horas em frente ao computador como causa desta patologia.

Devido à existência de um conjunto de fatores tão diversificado é crucial que o paciente seja acompanhado pelo médico especialista. Nunca prescinda do diagnóstico médico. Indique ao seu médico todos os tratamentos que faz ou pensa fazer.

Sintomas do Síndrome do Túnel do Carpo

A compressão do nervo mediano provoca sintomas associados a regiões da mão inervadas por este nervo. As causas da compressão nervosa podem envolver outros sintomas como dor no ombro com limitações de movimento ou cervicalgia. Por entre os sintomas que compõem o quadro clinico do túnel cárpico chamamos a atenção para alguns mais importantes.

Formigamento ou dormência na ponta dos dedos.
Dor tipo queimadura.
Em casos mais severos o paciente pode referir dormência na mão toda.
Dormência ou formigamento na palma da mão
Dor com irradiação até ao cotovelo. Por vezes associada a dor no ombro.
É comum o agravamento dos sintomas à noite.
Em casos mais raros algumas anastomoses do nervo mediano com o cubital podem provocar sintomas nos dedos anelar e mindinho.
Em casos mais graves o paciente pode referir perda de força na mão e incapacidade em segurar alguns objetos: movimento de pinça débil, perda de movimentos finos, atrofia muscular.
Dormência ou formigamento na palma da mão

Diagnóstico Convencional do Sindrome do Canal cárpico

O diagnóstico é feito atendendo a história clinica do paciente, resultados de exames físicos e exames médicos como a eletromiografia e o estudo de condução nervosa. Tradicionalmente são usadas a manobra de Tinel e de Phalen. O teste de Phalen é mais importante e o Teste de Tinel é considerado menos relevante devido à alta percentagem de falsos-positivos.

Exames de imagiologia médica, como radiografia, podem ser relevantes para estudar a existência de patologias que possam provocar sindrome do canal cárpico, como a artrite reumatóide.

Tratamento convencional para síndrome do canal cárpico

O tratamento convencional costumam basear-se no tratamento com anti-inflamatórios ou corticóides e fisioterapia. Em casos mais severos   (sintomas muito intensos ou atrofia da musculatura) ou refratários recorre-se às cirúrgias.
Na nossa opinião o tratamento clinico farmacológico convencional apresenta efeitos secundários evitáveis e a cirúrgia nunca deveria ser feita sem uma abordagem osteopática e minimamente invasiva (leia-se acupuntura) do túnel cárpico.

Muitas vezes o diagnóstico de túnel cárpico não leva em linha de conta uma análise biomecânica nem holistica o que conduz a erros de tratamento. Por exemplo, alguns pacientes com exames clinicos a indicar túnel cárpico não apresentam sinais de phalen ou tinel positivos.
Por outro lado sinais de Tinel ou Phalen positivos não implica que a causa do problema esteja unicamente no canal cárpico.
É preciso dar atenção a um diagnóstico holistico fundamentado em biomecânica e compreender a relação do nervo mediano com as interfaces anatómicas que com ele contactam sejam ósseas, ligamentares, musculares ou fasciais.
No diagnóstico diferencial chama-se a atenção para radiculopatia C6-C7 (mais comum em pacientes com idada mais avançada) o síndrome do desfiladeiro torácico (afeta mais comumente o nervo cubital mas também pode afetar nervo mediano), compressão proximal do nervo mediano (pelos músculos flexores do antebraço) ou a tendinite de quervain.

Tratamentos propostos pelo nosso gabinete para tratar sindrome do canal cárpico sem cirurgia

Acupuntura

Acupuntura sindrome canal cárpico

A acupuntura ou a vertente de acupuntura elétrica tem resultados muito bons no tratamento do síndrome do canal cárpico. Esta terapia pode ser usada para promover relaxamento muscular, inibir sensação de dor, diminuir a inflamação do nervo e em alguns casos diminuir ou eliminar causa compressiva do nervo. É necessário saber pensar em termos de dermoneuromodelação e miologia funcional para integrar abordagens com características especificas na acupuntura.

Osteopatia

Osteopatia sindrome do túnel cárpico

O diagnóstico osteopático é essencial para se compreender todas as causas dos sintomas assim como a relação que os diferentes sistemas formam entre si. A osteopatia providencia uma série de técnicas desde harmónicas, músculo-energéticas, técnicas de mobilidade articular que se conseguem integrar numa abordagem coerente que permite atuar local e distalmente ao problema.

A Osteopatia pode ser mais indicada e substituir a acupuntura para determinadas causas do sindrome do canal cárpico ou pode atuar conjuntamente com a acupuntura para potencializar os resultados.

Mobilização Neural

Neurodinâmicas sindrome do túnel do carpo

Técnicas de mobilização aneural pertencem à área da Osteopatia e Terapias Manuais. Devido à importância desta técnica decidimos colocá-la em separado das outras. As neurodinâmicas podem ser aplicadas na clinica e ensinadas ao paciente de forma a garantir tratamento continuado e não limitado à marquesa. Estas técnicas permitem trabalhar a capacidade de viscoelasticidade e deslizamento dos nervos sendo importantes para diminuir processos inflamatórios e diminuir a dor.

Além destes tratamentos é possível associar outras abordagens como suplementação, fitoterapia, kinesio tapping, alongamentos ou exercícios especificos. Fale com a nossa equipa, de acordo com a análise semiológica podemos aconselhar aqueles que nos parecem os melhores tratamentos.

Para evitar o sindrome de canal cárpico deve evitar movimentos repetitivos de longa duração. Pare entre atividades e dê descanso ao nervo. Caso não consiga use exercícios de mobilidade neural para garantir que o nervo mantêm a sua capacidade de deslizamento intacta.

Estes conselhos partem da nossa experiência profissional no tratamento do sindrome do canal cárpico. Eles não prescindem de uma análsie médica. Consulte o seu médico e discuta com ele todas as alternativas possíveis. Também pode contactar a nossa equipa. Temos muito gosto em ajudar.

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

http://www.sbn.com.br/files/downloads/departamento/nervos-perifericos/compressao-do-nervo.pdf